Skip to main content

Memória USB: uma inovação que mudou o mundo

Há uma velha fala que diz que grande parte da história é feita a portas fechadas, sem as pessoas saberem. No caso da tecnologia, isso é verdade. Um grande exemplo disso é a memória USB, que muitos só foram ter verdadeiro contato com os pen drives, mas que foi criada muito antes e mandou verdadeiras ondas de inovação para o resto do mundo da computação.

O que é a memória USB?

É comum pensar que a memória USB se resume a apenas pen drives, mas na verdade o pen drive nada mais é do que um acessório, com marca registrada, que se aproveita da memória USB para armazenar dados e ser portátil. E essa peça, como sabemos, revolucionou o modo como armazenamos arquivos, música e vídeos, jogando CDs, DVDs e disquetes para escanteio, evitando impressões desmedidas que representam um gasto de papel e tinta enorme e ainda é um show de praticidade, já que cabe no seu bolso e tem uma capacidade de armazenamento absurda, que pode até chegar aos terabytes de tamanho. Mas assim como pode ser um pen drive, pode ser um cartão ou muitas outras coisas.

Só que a mudança da memória USB e sua popularização não mudou as coisas só para o cliente, o usuário das novas tecnologias.

A partir dos anos 2000, todos os computadores começaram a ter portas USB entre seus atributos e quanto mais melhor. Isso porque além dos pen drives, diversos acessórios como impressoras, mouses, teclados, câmeras e outros complementos para um desktop, começaram a usar a porta USB como conector.  Assim, a tecnologia Plug and Play entrou em ação, precisando apenas colocar o dispositivo externo na porta USB e começar a usar, ao invés de usar CDs e longos programas de instalação e no fim até ter que reiniciar o computador para poder usar a nova aquisição.

E além disso, dispositivos de música, limpadores como o PC Flash, Drives externos, oferecem funcionalidades com a conexão USB. Ou seja, a tecnologia teve que acompanhar a evolução dos dispositivos USB,  algo que outras tecnologias, como o Bluetooth, não conseguiu fazer com tanta competência. Obtenga Pc Flash aqui: www.conectiva.com/pt-br/gadgets-pt-br/pc-flash

O que tem de diferente?

Mas a questão da memória foi mesmo o que mudou as regras do jogo.  Antes, nos anos 2000, um DVD RW era visto como o suprassumo da tecnologia, já que oferecia 4 gigas de armazenamento e você ainda podia insertar dados e depois apagá-los, reutilizando a mídia. Com o pen drive e sua memória USB, isso ficou completamente obsoleto: a ideia de apagar e reutilizar se tornou a base, algo que não se pode abrir mão. Além disso, o pen é muito menor que o DVD e menos sensível, já que não risca. E o principal: o tamanho de armazenamento foi subindo e hoje, pen drives de 32 GB e 64 GB podem ser comprados em diversas lojas e esses números podem subir até a casa do 1 terabyte.

Ou seja, é mais potente, mais resistente, mais rápido (a velocidade de dados é superior), é compatível com todos os sistemas e computadores. Foi uma inovação completa.

Além da evolução no tamanho do armazenamento, aumentando a cada ano, e do tamanho (hoje há pen drives que cabem quase na ponta do dedo), há também atualizações na velocidade dos dados e isso pode ser visto quando você vai comprar um computador e lá está escrito USB 1.0, 2.0 ou até 3.0. O 3.0, o mais atual, tem justamente na velocidade da transmissão de dados a sua máxima melhora.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *